Lar Últimas notícias CNJ nega pedido de advogado para proibir uso de ChatGPT por juízes para fundamentar decisões
Últimas notícias

CNJ nega pedido de advogado para proibir uso de ChatGPT por juízes para fundamentar decisões

O Plenário do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) decidiu, por unanimidade, rejeitar um pedido que solicitava a proibição do uso da ferramenta de inteligência artificial ChatGPT para fundamentar decisões de magistrados no Brasil.

Relator do caso, o conselheiro João Paulo Schoucair, enfatizou a importância de uma análise criteriosa, baseada em princípios éticos e jurídicos sólidos, sobre o uso de ferramentas de inteligência artificial no Poder Judiciário. Ele afirmou que, embora a IA possa “aprimorar a eficiência e a eficácia do sistema judicial”, é essencial que seu uso seja guiado pela “ética, equidade e responsabilidade”.

Na decisão, o relator destacou a existência de um Grupo de Trabalho sobre Inteligência Artificial no Poder Judiciário, coordenado pelo conselheiro Bandeira de Mello. Este grupo tem como objetivo realizar estudos e apresentar propostas de regulamentação para o uso de sistemas de inteligência artificial generativa no Poder Judiciário.

O grupo abordará questões como modelo de governança para a gestão do desenvolvimento e uso de soluções de inteligência artificial, colaboração e compartilhamento de informações sobre essas soluções, auditoria de modelos e soluções, mapeamento e gerenciamento de riscos, além de práticas e casos de uso permitido, regulado e proibido.

O pedido de proibição foi apresentado pelo advogado Fábio de Oliveira Ribeiro, que buscava uma liminar para impedir magistrados de utilizarem a ferramenta em suas decisões. Ribeiro argumentou que o uso do ChatGPT comprometeria a “validade e eficácia da norma constitucional que garante aos cidadãos brasileiros o direito de ver seus processos julgados apenas pelas autoridades competentes”.

No pedido, o advogado citou que, apesar do sucesso do ChatGPT em um teste nos EUA equivalente ao exame da OAB, a ferramenta falhou em avaliações de processos da Suprema Corte norte-americana e em um caso no Brasil, onde não reconheceu uma lei que tipifica o crime de genocídio.

Schoucair ressaltou que a própria desenvolvedora do ChatGPT, OpenAI, reconheceu as limitações da ferramenta e afirmou que a “supervisão humana permanece fundamental”. Ele destacou a necessidade de medidas para “mitigar e monitorar o viés algorítmico”, garantindo assim a equidade e a imparcialidade das decisões judiciais.

Ao julgar o caso, Schoucair concluiu que “os juízes e profissionais do direito devem manter a prerrogativa de revisão e controle das decisões geradas pelas ferramentas de inteligência artificial, preservando o exercício do julgamento humano e a responsabilidade ética”.

Na análise inicial do pedido, em fevereiro de 2023, o relator já havia rejeitado a liminar devido à ausência de indícios sobre o uso do ChatGPT.

Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos Recentes

Categorias

Artigos relacionados

Deputado Luiz Eduardo fica ferido após grave acidente na BR-101; trecho foi interditado

Um grave acidente envolvendo três veículos sendo dois caminhões e um carro...

Inmet emite alerta de vendaval para todo o RN

O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) emitiu um alerta amarelo de vendaval...

TJRN decreta prisão preventiva de Wendel Lagartixa

A Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte...

Turismo de eventos em Natal gera mais impacto que o de lazer

Maior responsável por movimentar a economia turística atualmente, o turismo de eventos...